Páginas

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Tão louco quanto sempre fui. Charles Bukowski



bêbado e escrevendo poemas
às 3 da manhã.


o que importa agora
é mais uma
boceta
apertada


antes que a luz
se apague


bêbado e escrevendo poemas
às 3h15 da manhã.


algumas pessoas me dizem que sou
famoso.


o que estou fazendo sozinho
bêbado e escrevendo poemas às
3h18 da manhã?


sou tão louco quanto sempre fui
eles não entendem
que não parei de me pendurar pelos calcanhares
da janela do 4° andar -
eu ainda o faço
agora mesmo
aqui sentado


ao escrever estas linhas
estou pendurado pelos calcanhares
vários andares acima:


68, 72, 101,
a sensação é a
mesma:
implacável
banal e
necessária


aqui sentado
bêbado e escrevendo poemas
às 3h24 da manhã.
Fragmentos disso que chamamos de "minha vida".

Há alguns anos. Deus — ou isso que chamamos assim, tão descuidadamente, de Deus —, enviou-me certo presente ambíguo: uma possibilidade de amor. Ou disso que chamamos, também com descuido e alguma pressa, de amor. E você sabe a que me refiro.

Antes que pudesse me assustar e, depois do susto, hesitar entre ir ou não ir, querer ou não querer — eu já estava lá dentro. E estar dentro daquilo era bom. Não me entenda mal — não aconteceu qualquer intimidade dessas que você certamente imagina. Na verdade, não aconteceu quase nada. Dois ou três almoços, uns silêncios. Fragmentos disso que chamamos, com aquele mesmo descuido, de "minha vida". Outros fragmentos, daquela "outra vida". De repente cruzadas ali, por puro mistério, sobre as toalhas brancas e os copos de vinho ou água, entre casquinhas de pão e cinzeiros cheios que os garçons rapidamente esvaziavam para que nos sentíssemos limpos. E nos sentíamos.

Por trás do que acontecia, eu redescobria magias sem susto algum. E de repente me sentia protegido, você sabe como: a vida toda, esses pedacinhos desconexos, se armavam de outro jeito, fazendo sentido. Nada de mal me aconteceria, tinha certeza, enquanto estivesse dentro do campo magnético daquela outra pessoa. Os olhos da outra pessoa me olhavam e me reconheciam como outra pessoa, e suavemente faziam perguntas, investigavam terrenos: ah você não come açúcar, ah você não bebe uísque, ah você é do signo de Libra. Traçando esboços, os dois. Tateando traços difusos, vagas promessas.

Nunca mais sair do centro daquele espaço para as duras ruas anônimas. Nunca mais sair daquele colo quente que é ter uma face para outra pessoa que também tem uma face para você, no meio da tralha desimportante e sem rosto de cada dia atravancando o coração. Mas no quarto, quinto dia, um trecho obsessivo do conto de Clarice Lispector "Tentação" na cabeça estonteada de encanto: "Mas ambos estavam comprometidos.

Era isso — aquela outra vida, inesperadamente misturada à minha, olhando a minha opaca vida com os mesmos olhos atentos com que eu a olhava: uma pequena epifania. Em seguida vieram o tempo, a distância, a poeira soprando. Mas eu trouxe de lá a memória de qualquer coisa macia que tem me alimentado nestes dias seguintes de ausência e fome. Sobretudo à noite, aos domingos. Recuperei um jeito de fumar olhando para trás das janelas, vendo o que ninguém veria.

Atrás das janelas, retomo esse momento de mel e sangue que Deus colocou tão rápido, e com tanta delicadeza, frente aos meus olhos há tanto tempo incapazes de ver: uma possibilidade de amor. Curvo a cabeça, agradecido. E se estendo a mão, no meio da poeira de dentro de mim, posso tocar também em outra coisa. Essa pequena epifania.

* Caio Fernando Abreu

Leão do Norte! Lenine.



Noel Rosa

Caio Fernando Abreu

"Apenas já não somos mais crianças e desaprendemos a cantar. As cartas continuam queimando. Eu tentei pensar em Deus. Mas Deus morreu faz muito tempo. Talvez se tenha ido junto com o sol, com o calor. Pensei que talvez o sol, o calor e Deus pudessem voltar de repente, no momento exato em que a última chama se desfizer e alguém esboçar o primeiro gesto. Mas eles não voltaraão. Seria bonito, e as coisas bonitas já não acontecem mais."

Jorge Ben - Fio Maravilha

O Observador

Ele era pouco estranho, usava óculos quadrado, fora de moda (miopia) e tinha um jeito meio estranho de se vestir... Com sapatos bico quadrado calça social escura e camisa branca, pra qualquer um seria uma roupa básica, mas pra ele não era nem um pouco bonito ou apresentável já que seu corpo era muito magro e muito alto. Nunca fora um cara popular, na faculdade tinha um amigo e apenas tinha transado com prostitutas, pois não era atraente e não via necessidade de fazer de inteligente ou de fortão como os outros gorilas da sociedade, não precisava ser o macho dominante. Depois que concluiu a faculdade foi fácil arrumar emprego, suas notas eram excelentes e antes de terminar o último ano já tinha sido indicado para uma grande empresa de contabilidade onde começou como estagiário até pegar o diploma. Tinha uma memória muito boa, alguns diziam que ele tinha memória fotográfica (memória eidética) o que o ajudava na hora dos cálculos sendo assim nunca errando nem na faculdade nem depois de se formar no trabalho. Depois de formado ele começou a ganhar muito dinheiro fazendo contabilidade de empresas grande. Foi assim por sete anos até montar seu próprio escritório de contabilidade. E contratar alguns funcionários pra trabalhar pra ele... Logo estava nadando em dinheiro... Era o melhor escritório de contabilidade, ele se lembrava de cada numero todos os CNPJ de cada empresa... Quando ele completou 33 anos sem saber se faria uma festa, não teria amigos pra convidar e não convidaria os funcionários, pois não queria misturar a relação profissional com a relação pessoal, decidiu sozinho ir pra uma boate ver algumas stripers e beber um bom whisky. Já passava da meia três da manha quando ele abre a porta dos fundos do bar e se dirigiu para o seu carro que estava no estacionamento dos fundos, não avia ninguém no estacionamento, era como um grande deserto virgem, intocado, não fosse por três carros vazios q estavam estacionado ali como prova que alguém já tinha explorando aquele lugar ele pensaria ser o primeiro ser humano a pisar naquele lugar. Ele chega à porta do seu carro e Poe a mão no bolso pra pegar a chave do carro quando lembrasse de ter deixado em cima do balcão no momento em que tirou a carteira para efetuar o pagamento. A cambalear virou-se para voltar quando...
- Olha filho.
Um homem de calça Jean, camiseta branca e descalço surgem bem próximo ao seu rosto com um olhar fixo e seus olhos. Sua barba era por fazer e apesar de não ser tão alto a primeira vista parecia um mendigo, com um pulo pra traz proveniente do reflexo do susto ele tromba em seu carro e cai de joelhos nas pedras sentindo muita dor nas costas, joelho e mãos que apoiou nas pedrinhas soltas no chão. Sem se levantar olha para o homem esfrega os olhos como se não acreditasse no que via e olhou com mais clareza, não era um mendigo, aparentava ser um senhor entre 40 ou 45 anos aparentemente atraente.
- Você não é o primeiro a se ajoelhar pra mim hoje – Disse o velho com certa seriedade que para o homem de joelhos soou mais como uma provocação.
- O que esta fazendo velh... Homem. – disse ao olhar para o senhor a sua frente ainda sem conseguir ver seu rosto direito. Apesar de toda a iluminação era como se uma sombra sempre tapasse os olhos ou a boca ou o nariz de forma que mesmo apertando o olho ele não poderia reconhecer de... Ou em outro momento. Começou a Levantar.
- Você ia dizer velho? Pode dizer. Se soubesse a idade que tenho nem de velho me chamaria, talvez tivesse educação e me chamasse de senhor já que é como deveria me chamar.
- Muito bem senhor, - Falou com desdém - De onde veio tão rápido que não vi chegar?
- Vim do céu - Diz o homem Novamente serio que novamente soa como uma soa como uma provocação aos ouvidos de um bêbado.
- Então o “senhor” veio do “céu”! –balança os dedos ressaltando as aspas nas palavras senhor e céu- que original velho, me conta outra.
- E vim para levá-lo comigo.
- aaaaaaaaaaah então é um seqüestro? Bom nisso você realmente foi original, eu serei o primeiro homem a ser seqüestrado por deus? Ah não, não mesmo provavelmente isso acontece todo dia. O que deus faz depois de seqüestrar? Pede resgate ao diabo?
- Você também não é o primeiro a zombar de mim hoje – diz o velho – Vocês humanos na são nada originais. Apesar de únicos são todos iguais. Pois lhe dou um ultimo aviso, vim aqui para levá-lo comigo, não vou sem você, caso não aceite quebrarei pela primeira vez a regra do livre arbítrio e você vai se arrepender de todas as palavras que disse até agora em minha presença – a sombra parecia diminuir de seu rosto e sua expressão era aterradora, mas o bêbado tentou balbuciar,
- Então vem velh...
Ele viu o velho colado em seu corpo com as mãos encostadas em seu peito, logo percebeu q não estava mais em um estacionamento, estavam no ar em suas costas estava um campo gramado, onde ele foi arremessado como em um empurrão com muita força, se chocou como um meteoro chocasse com o solo, seu corpo se espedaça logo se viu inteiro caindo dentro de um vulcão em erupção morrendo queimado, novamente inteiro se viu no fundo do mar morrendo afogado, depois no meio de uma tempestade de areia onde seu corpo era cortado por cada grão de areia até seu corpo se desintegrar por completo, novamente seu corpo intero um tufão de vento que invadiu sua boca fazendo seu corpo explodir como um balão, depois estando enterrado apenas com o rosto pra fora da terra onde um batalhão marcha sobre seu rosto, então se viu no meio de um enxame de abelhas sendo picado eternamente, mas sua consciência estava intacta sentindo todas as dores das circunstancias.
Caiu de joelhos, estava novamente de frente para o senhor de camiseta branca, seu corpo doía a ponto dele precisar deitar no chão.
- o que fez comigo? – Disse.
- você passou pelos sete mil infernos, mas eu permiti que você lembrasse apenas sete, pois você perderia a sanidade caso lembra-se dos outros.
No chão o homem percebe a aproximação do senhor, sente que ele é tocado na nuca à dor desaparece instantaneamente, ele é apoiado em uma parede, não sabe aonde esta, o senhor o segura pelo pescoço apenas com uma mão, você vai me ouvir? - O senhor disse com o rosto bem próximo do resto do homem que olhou em seus olhos e viu fogo, escuridão, o universo e amor.
- Sim eu ouvirei. - Seu corpo tremia era assustador o que sentia, medo, vontade de chorar, frio, calor, vida.
- Eu estou cansado, muito cansado, faz alguns anos que não durmo, vou descansar, mas não posso deixar de o homem sozinho, o homem precisa ser observado, você, será meus olhos, você vai me passara todas as informações, quando eu acordar você me Dara um relatório de tudo que viu.
- E caso eu não queira? – disse o homem.
- eu estou cansado da humanidade, to cansado de sua estupidez, se você não aceitar eu irei acabar com todos vocês, vocês deixarão de existir com um estalar do meu dedo. Lembre-se que vocês humanos, é a única raça do universo que me dão trabalho, a única raça que me abandonou, talvez já seja hora de acabar com a humanidade ai poderei descansar em paz.
- Eu aceito – disse o homem – eu aceito.
- E sabia que você aceitaria você tem apenas uma regra, você não pode interferir, o curso da humanidade deve seguir normalmente, você terá meus poderes, pra poder acompanhar executar seus serviços, mas eu lhe aviso, não interfira, apenas observe.
- Esta bem, esta bem.
- Eu vou descansar agora, bom dia observador.
O homem desapareceu de sua frente ele estava sentado, como num passe de mágica em um trono de cristal com o mundo abaixou de seus pés.

De Leonides (tico) retirado do blog: http://demoniosdacultura.blogspot.com/

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Areia Branca / Gaiá piá!

Não consigo mais viver longe do rio
não consigo mais viver sem a presença constante do sol
caminhando com os pés descalços na areia branca
caminhando com os pés livre como uma criança
revelando segredos que habitam em nosso proprio ser
fui perceber que estamos aqui apenas para nos ajudar
aprendendo a amar o verdadeiro amor

as águas caem de graça vinda das cachoeiras
o vento me soprou a manga que caiu da mangueira
todo dia é dia de cultivar a terra fruto das gerações
todo dia é dia de fazer orações peço a paz pelo mundo
está se passando o tempo de ajudar os seus irmãos
não viver para si só
ja é dado o momento de expressar sentimentos
que saem do fundo do coração

mas como é simples esse viver
aprendendo a amar
o verdadeiro amor

domingo, 12 de fevereiro de 2012